quarta-feira, 2 de maio de 2018

SEMANA INTERCULTURAL

PROJETO ERASMUS+
SAFE SCHOOLS, SUCCESSFUL STUDENTS


Na semana compreendida entre 23 e 27 de abril, a escola EB 2/3 de Rio Tinto recebeu alunos e professores integrados no programa ERASMUS+, no projeto Safe Schools - Successful Students, provenientes de 6 países europeus: Alemanha, Itália, Letónia, Polónia, Roménia e Turquia.



A receção aos alunos e professores teve lugar no dia 23 de abril, pelas 9h da manhã, em que a Direção, os professores responsáveis pelo projeto e um grupo de alunos os recebeu com a canção “Grândola Vila Morena”, atividade integrada no âmbito das festividades do 25 de abril.


Ao longo da semana realizaram-se várias atividades de cariz pedagógico. Entre estas, destacamos o workshop sobre Cyberbullying dinamizado pelo Dr. Pedro Simões, em que se discutiu o tema e foi visualizado um filme sobre bullying na escola produzido pelos membros do clube da proteção civil (9ºF). 

 

Foram ainda realizadas visitas culturais para dar a conhecer alguns dos ícones portugueses tais como: uma fábrica de filigrana em Gondomar, o Santuário de Fátima, Mosteiro da Batalha, Conímbriga, cidade do Porto, Caves do Vinho do Porto em Gaia e mini cruzeiro no rio Douro. A Junta de Freguesia de Rio Tinto recebeu-nos com um pequeno lanche e fomos agraciados com umas palavras do seu Presidente, Dr Nuno Fonseca, que nos esclareceu sobre a origem do município e algumas particularidades desta freguesia. 


No dia 24 realizou-se um jantar na escola, em colaboração com a comunidade educativa, tendo estado presentes professores, alunos e encarregados de educação. Neste final de tarde e noite houve oportunidade de assistir à atuação do Rancho Folclórico de Rio Tinto e ainda de degustar vários pratos tradicionais portugueses.





Na nossa opinião esta experiência foi muito positiva, tendo dado aos alunos a possibilidade de praticar o Inglês e partilhar experiências com alunos de diferentes países, comparar tradições e culturas. Na maioria das opiniões recolhidas junto dos alunos estrangeiros fomos caracterizados como um povo bastante simpático e acolhedor, tendo a maioria manifestado o desejo de regressar com a respetiva família.



sexta-feira, 16 de março de 2018

ÚLTIMA HORA: TEMPESTADE HUGO CHEGA ESTE SÁBADO !


As condições meteorológicas vão piorar bastante nas próximas horas, uma superfície frontal fria e pesada no que conta a precipitação, instabilidade (fortes trovoadas concentradas), granizo, vento e ondas altas, vai acontecer de 17 a 18. 

Esta será a Tempestade Hugo - ALERTA PORTUGAL






Sábado dia 17: Céu muito nublado.
Períodos de chuva forte e persistente no Centro a progredir para Sul até ao fim da manhã.


Agravamento no Centro e Sul para o Fim da tarde e noite, chuva muito forte e persistente, Vento forte com rajadas muito fortes até aos 90/100km/h.
Possibilidades de ocorrência de trovoadas.

Pequena subida da temperatura mínima e pequena descida da máxima.

Domingo dia 18: Céu muito nublado tornando-se pouco nublado a partir da manhã.
Períodos de chuva em especial no Interior durante a madrugada, de dia aguaceiros pouco frequentes.

Vento W/NW no Litoral a sul do cabo Carvoeiro com rajadas até aos 90/100km/h
Pequena descida da mínima e pequena subida da máxima.

Resumindo temos de novo um agravamento desta vez a afetar apenas o Centro e Sul, são esperados ventos fortes ou muito fortes em especial no litoral mas também em terra, as rajadas podem chegar aos 90km/h ou 100km/h, nas terras mais altas do Sul podem chegar aos 120km/h.

Podemos ter aqui a tempestade Hugo na nossa opinião, mas oficialmente ainda não foi confirmado o nome desta tempestade.

Este sistema de atribuição de nomes foi implementado na Irlanda e Reino Unido nas épocas 2015/2016 e 2016/2017. Verificou-se que a população se mostrou mais atenta às recomendações de segurança quando os alertas estavam associados a um nome específico, conforme notou a AEMET.

Fonte - IPMA

sexta-feira, 9 de março de 2018

Sugestões dos alunos do 4B

No âmbito do Projeto de Segurança, a turma 4C da EB de Cabanas realizou cartazes com algumas regras que os alunos consideram pertinentes ao bom funcionamento da escola. Aqui ficam algumas imagens…















quarta-feira, 7 de março de 2018

Regressa o mau tempo!

Após um curto parêntesis, o quadro de chuva, com possibilidade de trovoadas, vento e agitação marítima volta esta quarta-feira a tomar conta de Portugal continental. A meteorologia prevê que sexta-feira seja o dia mais crítico.



Ouvida pela agência Lusa, a meteorologista Maria João Frada, do Instituto Português do Mar e da Atmosfera, explicou que esta quarta-feira será ainda “um dia pacífico, com temperaturas mínimas da ordem dos zero a dois graus nas regiões do interior norte e centro associadas a uma massa de ar polar e aguaceiros fracos e pouco frequentes”.

“A partir da tarde, o céu vai tornar-se muito nublado, inicialmente nas regiões do litoral sul e depois estendendo-se a todo o território. A partir do meio da tarde, vamos ter períodos de chuva fraca e chuvisco na região norte. A chuva virá de sul para norte e haverá queda de neve nos pontos mais altos da Serra da Estrela”, acrescentou.Até domingo, o país poderá contar com precipitação, trovoadas e vento forte, estima a meteorologia.

Para quinta-feira prevê-se um significativo aumento da temperatura mínima, na ordem dos quatro a cinco graus, e da máxima, entre dois e os cinco graus.

“Neste dia”, antevê a meteorologista, “vai ocorrer chuva em todo o território, que pode ser chuva forte localmente”. Pode igualmente ocorrer “queda de neve acima dos mil, 1200 metros, mas é muito temporária, pois com a entrada do ar mais quente a neve fica confinada aos pontos mais altos da Serra da estrela”.

Maria João Frada adianta que a chuva será acompanhada de vento moderado a forte, do quadrante sul, com rajadas de até 85 quilómetros por hora, além de neblinas e nevoeiros.

“Este cenário vai-se prolongar para dia 9. Este será um dia mais grave do que dia 8. Até ao final da manhã de dia 10 vamos ter chuva por vezes forte, especialmente nas regiões do norte e centro, e vento forte e ocorrência de trovoadas e granizo”, indicou.

Para a Região Autónoma da Madeira está também prevista chuva e vento forte. As ondas, de oeste, poderão chegar aos cinco metros.

sexta-feira, 2 de fevereiro de 2018

Vaga de frio chega a Portugal


Vaga de frio chega a Portugal

               Depois de ter afetado outros países da Europa, a vaga de frio parece estar as chegar a Portugal, pelo menos a temperatura mínima já começou a descer. Nos próximos dias os termómetros vão registar temperaturas baixas e o vento será forte.

       Segundo o Instituto Português do Mar e da Atmosfera, «uma vasta região anticiclónica, relativamente intensa», vai desencadear «o transporte de uma massa de ar muito frio e seco sobre o território do continente». Acresce «uma intensificação do vento, em especial no litoral oeste e nas terras altas», prevendo-se, por isso, «vento forte no litoral oeste e nas terras altas com rajadas até 80 quilómetros/hora”».
         «Adicionalmente, verificar-se-á uma descida dos valores da temperatura máxima em todo o território», entre três e seis graus Centígrados, adianta o IPMA, salientando que «as baixas temperaturas associadas ao vento forte aumentarão o desconforto térmico», especialmente entre a tarde de quinta-feira e a manhã do dia seguinte.
         
     O IPMA acrescenta que até domingo vai continuar a sentir-se o vento forte e com rajadas no litoral oeste e nas terras altas, com exceção de sábado, «em que se prevê um enfraquecimento temporário do vento».

      Neste dia, a «aproximação e passagem de um sistema frontal de fraca atividade poderá originar precipitação fraca na generalidade do território, com probabilidade entre 35 e 60 por cento a norte do sistema montanhoso Montejunto-Estrela e inferior a 35 por cento a sul do referido sistema, que a ocorrer será sob a forma de neve em cotas baixas”.
       
Segundo o IMPA a precipitação vai ser pouca, «mas pode ser de neve em cotas relativamente baixas», apontando até a possibilidade de nevar «em sítios onde só aparece de década a década.

RECOMENDAÇÕES:

  • Mantenha o corpo quente, evite sair à rua e use mais agasalhos.
  • Beba muita água. Evite o café e as bebidas alcoólicas.
  • Aqueça bem a casa, mas mantenha-se atento: pode haver o perigo de incêndios e intoxicação.
  • Esteja atento aos doentes crónicos da sua família, especialmente se sofrerem de problemas respiratórios ou cardiovasculares.
  • Troque informações e conselhos com o seus colegas, amigos e vizinhos. Mantenha-se em contacto com eles.
  • Se viver em zonas remotas, tenha um rádio e uma lanterna à mão para o caso de o frio provocar problemas de rede e eletricidade.
  • Em caso de dúvidas, ligue para a linha Saúde 24.
O Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM) também lançou algumas diretivas para resistir ao frio:
  • Utilize várias camadas de roupa quente.
  • Vista peças que tapem as extremidades do corpo (como os dedos).
  • Vede bem as portas e janelas.
  • Consuma bebida e comida quentes.
  • Faça exercício físico que mantenha a circulação sanguínea ativa (mas não exagere).

segunda-feira, 29 de janeiro de 2018

ESTUDO DO RISCO SÍSMICO E DE TSUNAMIS DO ALGARVE

Zonas inundadas pelo Tsunami (Pormenor de Quarteira e Vilamoura)



Os registos históricos demonstram que a região do Algarve é a que, ao longo dos tempos, tem registado maiores intensidades sísmicas em Portugal Continental, sendo esta uma região de características particulares, pois além da grande concentração urbana junto ao litoral, recebe sazonalmente um intenso fluxo populacional, nacional e internacional.

O último grande sismo no continente português ocorreu em 28 de Fevereiro de 1969. Embora não se tivessem registado intensidades muito elevadas, foi suficiente para causar danos materiais importantes na região do Algarve.

Na eventualidade de ocorrer um evento semelhante é convicção da comunidade científica e dos agentes de proteção civil que nesta área poderão verificar-se danos muito elevados na estrutura urbana e baixas significativas na população. Particularmente, se um grande sismo ocorrer durante um período de grande concentração demográfica, como o mês de Agosto, a gestão da situação de emergência torna-se particularmente difícil.

É pois importante que a população aprenda a conviver com o risco e saiba como actuar individualmente quando confrontada com uma situação real. Contudo, este trabalho de sensibilização que se vem realizando só é eficaz se a população percecionar o sistema de proteção civil como sendo capaz e estando preparado para a proteger e socorrer em caso de sismo.

O Estudo do Risco Sísmico e de Tsunamis do Algarve (ERSTA) possibilitou o conhecimento aprofundado do risco sísmico e de tsunamis na região e o desenvolvimento de um plano especial de emergência para estes riscos. Paralelamente, permitiu desenvolver políticas de prevenção e de proteção adequadas ao caso algarvio.

Com a conclusão deste Estudo, os resultados técnico-científicos, que cobrem uma vasta gama de temas, desde a geração de cenários sísmicos credíveis à estimativa dos danos dos elementos vulneráveis da sociedade, foram implementados num simulador que permite estimar e mapear as previsões de danos.



segunda-feira, 15 de janeiro de 2018

VAGA DE FRIO


Numa vaga de frio, é recomendável:

  • Verificar a manutenção dos equipamentos utilizados para aquecimento antes de os utilizar;
  • Se utilizar lareiras, braseiras, salamandras ou equipamentos a gás, mantenha a correta ventilação das divisões de forma a evitar a acumulação de gases nocivos à saúde;
  • Não utilizar equipamentos de aquecimento de exterior (esplanadas) em espaços interiores;
  • Antes de se deitar ou sair de casa certifique-se de que apagou ou desligou os equipamentos de aquecimento, de forma a evitar fogos ou intoxicações;
  • Tenha especial atenção com os idosos e crianças para evitar queimaduras.
  
As pessoas mais vulneráveis ao frio são:
  • Crianças;
  • Idosos;
  • Doentes crónicos, principalmente com problemas respiratórios e cardiovasculares;
  • Os sem-abrigo;
  • Pessoas cuja habitação tenha mau isolamento térmico.
Proteja-se:

  • Use várias camadas de roupa adequadas à temperatura ambiente;
  • Proteja as extremidades do corpo (use luvas, gorro, meias quentes e cachecol);
  • Ingira bebidas e alimentos quentes;
  • Vedar bem as portas e janelas;
  • Manter-se atento aos avisos e recomendações das autoridades.

segunda-feira, 30 de outubro de 2017

INUNDAÇÕES


·       O que são as cheias?

As cheias são fenómenos naturais, normalmente temporários provocados
por precipitação muita intensa e moderada, mas persistentes.

·       Quais são os seus efeitos?
As cheias podem provocar a evacuação e desalojamento de pessoas, danificação de campos agrícolas, perda da produção de atividade e destruição de casas.

·       Zona mais afetada pelas cheias no Porto.
A zona de Miragaia, é uma das mais afetadas do país.
·     

      Medidas de autoproteção: