terça-feira, 17 de janeiro de 2017

SEGURANÇA NA NOSSA ESCOLA - APRENDE A CIRCULAR

Os membros do clube dedicaram todo o primeiro período a sinalizar uma circulação correta e em segurança pela escola.
Somos muitos alunos. Se todos cumprirmos estas indicações, haverá menos barulho e menos incidentes.

PARA TUA SEGURANÇA, 
CIRCULA COM ATENÇÃO A ESTAS INDICAÇÕES!















Portugal continental afetado por superfície frontal fria


O QUE É UMA FRENTE FRIA?

Chama-se frente fria ao sistema frontal de massas de ar polar (se a massa de ar é um camião, a frente fria será o pára choques dianteiro, por anologia). Elas caminham pelo globo como verdadeiras ondas de ar. A frente quente forma-se quando o ar quente avança sobre a região que era ocupada pelo ar frio, formando áreas que são posteriormente aquecidas. 

Quando uma frente fria se aproxima, esta empurra o ar quente para a frente e para cima, formando nuvens densas que originam chuvas e temporariamente trovoadas. Se o ar quente for formado por áreas de altas pressões e for muito seco, pode bloquear o movimento da frente fria, dissipando-a ou desviando o seu movimento.



Mas, afinal, porque é que Portugal está a ‘fintar’ a vaga de frio que assola a Europa?

De acordo com o IPMA, a situação de Portugal continental não tem a ver com a que se vive na Europa, afetada por uma vaga de frio que já causou pelo menos 60 mortes. Na Polónia, o país mais afetado, as temperaturas estão a registar valores perto dos 20 graus Celsius (ºC) negativos em algumas regiões.
Esta vaga de frio vinda da Escandinávia afeta a Europa desde o fim da semana passado, provocando vítimas em outros países do Leste, como República Checa ou Bulgária, designadamente entre sem abrigos e migrantes, mas também na Macedónia, Bielorrússia ou Itália.
O Observador falou com um responsável do IPMA, que esclareceu que Portugal tem registado temperaturas normais para a época. Mesmo a descida de temperatura, que se irá sentir a partir de quinta-feira, é ‘normal’, não tendo nada a ver com as massas de ar frio que têm assolado a Europa Central e de Leste.
Mas, afinal, porque é que estas massas frias não chegam a Portugal, ou até a Espanha? A culpa é, então, do anticiclone conhecido por se sediar junto aos Açores e que se encontra, todo o ano, no Atlântico, umas vezes mais a norte outras mais a sul. Segundo o IPMA, este anticiclone é intenso e encontra-se “estacionado na região”. Portugal está, portanto, sobre a sua influência, que bloqueia a chegada de massas de ar frio.